SAUDADES DA VIDA

Por terça-feira, abril 22, 2014 1 Permalink

SAUDADES

Sinto saudades daquilo que não tive
E não pude viver,
Das rizadas não programadas e sinceras
E mesmo daquelas bem-amarelas
Do que não se espera viver…

Sinto saudades dos abraços
E do corpo que não abracei,
Da pele que não adentrei
E do suor que não arranquei…

Sinto saudades dessa carne que nunca foi minha
E a sede desses lábios
Dos quais não mergulhei,
Do gosto, do cheiro e da suavidade,
Tanto quanto da volúpia que não ousei.

Tenho saudades do toque da tua voz,
Quando meiga consola e quando picante provoca,
E mesmo brava e nervosa, em ciúmes, me disputa…
Das saídas e escapes de suas falhas,
Suas esquivas…
Saudades de seus erros
E defeitos que não presenciei.

Tenho saudades dos sonhos que não vivemos,
O que deveria ter nascido e sequer veio a existir,
O sonho que passaria pelos braços e pela vida,
Mas, que jamais pude sentir.

Tenho saudades das noites acordadas que deixamos de ter,
Das corridas da vida e seus eternos problemas a resolver,
Mas, que não resolvemos, não vivemos…
Sinto saudades até mesmo das brigas e discórdias,
Das palavras covardes e suas desculpas esfarrapadas,
Nossa loucura!

Tenho saudades da história que adoraria ter escrito ao teu lado,
Mas, tudo ficou tão vago, ao acaso, e por fim descaso…
Tudo passou tão ao longe
E longe ficou!
Não vingou, morreu em meio a essas fugas da vida!

Eu vi nossa vida sem ser vivida,
Uma história sem ser contada, largada…
Que saudades de nós dois…
Que saudades da vida!

1 Comment
  • Débora Assis
    setembro 23, 2014

    UAU! SAUDADE É ALGO MUITO GOSTOSO DE SE FALAR, MESMO SENDO SAUDADE DE ALGO QUE NÃO SE VIVEU… SAUDADE DOÍDA ESSA!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado